O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a expansão da zona euro se mantenha “vigorosa”, mas de forma mais moderada a partir do próximo ano, segundo o relatório hoje divulgado.

O documento –  resultado da reunião do Conselho Executivo do FMI de segunda-feira, que reviu o crescimento previsto este ano para a zona euro para 2,2%, duas décimas abaixo do que tinha indicado em Abril – estima que em 2019 o crescimento da zona euro abrande para os 1,9%, em 2020 baixe para os 1,7% e em 2021 recue para os 1,5%.

As estimativas do FMI têm em conta principalmente a piores perspectivas para Alemanha, França e Itália.

Os principais “motores” do crescimento continuarão a ser a procura doméstica, suportada por uma criação de emprego “sólida”.

O FMI, que situou as previsões de crescimento económico mundial em 3,9%, tanto para este ano como para o próximo, diz que a inflação na zona euro deve demorar “alguns anos” a convergir com o objectivo do Banco Central Europeu de 2%, mas deve ficar perto daquele valor.

O desemprego deverá fixar-se nos 8,4% este ano, baixar para os 8% em 2019, 7,8% em 2020 e 7,6% em 2021.

O FMI considera ainda que os actuais atritos comerciais dos Estados Unidos com vários parceiros comerciais, entre eles a UE, são “a maior ameaça a curto prazo para o crescimento mundial”, já que, “terão efeitos adversos na confiança, nos preços dos activos e no investimento”.

Tags: