As exportações de têxteis e vestuário cresceram 0,6% nos dois primeiros meses do ano em relação ao mesmo período de 2017, atingindo 871 milhões de euros, de acordo com os dados do INE, analisados pela Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP).

“As exportações de vestuário caíram 2,7%, mas as de matérias-têxteis aumentaram 7,5%. Já os têxteis para o lar e outros artigos têxteis confeccionados exportaram mais 3,9%”, segundo a associação.

A balança comercial do sector apresentou um saldo de 204 milhões de euros e uma taxa de cobertura de 131%.

Itália foi o mercado que mais cresceu nos primeiros dois meses de 2018, ultrapassando os EUA no ranking dos principais destinos, com um aumento de 27% (11 milhões de euros). Seguiu-se a França, que cresceu 6,3% (mais 7,3 milhões de euros) e a Roménia, que incrementou 41,6% (mais 2,7 milhões de euros).

Pelo contrário, Espanha foi o mercado de destino com a maior queda, baixando 8,8% (ou seja, menos 24 milhões de euros) no período em análise. A ATP indica que a descida das vendas para o país vizinho limitaram “o crescimento das exportações deste sector, tendo em conta a sua importância nos principais destinos das exportações de têxteis e vestuário”.