A Universidade Católica considerou esta segunda-feira que os números do INE, que confirmaram uma subida de 0,2% do PIB no terceiro trimestre, indicam também que as exportações podem ter atingido o seu limite de crescimento.

Para o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP), da Universidade Católica, o abrandamento das exportações – que passaram de um crescimento de 7,4% no segundo trimestre para um aumento de 6,6% no trimestre seguinte – “parece confirmar que o bom comportamento das exportações nos últimos trimestres, com crescimentos tendenciais próximos dos máximos históricos, poderá ter atingido o seu limite”.

Referindo que as exportações foram o único agregado com variação em cadeia negativa (-0,2%) no terceiro trimestre, os economistas do NECEP alertaram que é de esperar “algum abrandamento na procura externa, o que pode vir a condicionar as perspectivas de crescimento em 2014”.

O NECEP refere ainda que se tornou “bastante provável” que se comecem a observar taxas de crescimento homólogas positivas nos próximos trimestres, “embora persistam dúvidas sobre se o crescimento tendencial da economia já se encontra em território positivo”.

O INE confirmou esta segunda-feira, 9 de Dezembro, que a economia portuguesa cresceu 0,2% no terceiro trimestre face ao anterior, mas que continua a cair 1% em termos homólogos.